Territórios quilombolas são tema da Faixa de Cinema

combo_imagens_quilombolas

A Faixa de Cinema dos dia 14 e 21 de setembro terá como tema os territórios quilombolas em BH e na Serra do Cipó. No dia 14, será exibido “Tem Quilombo na Cidade – Mangueiras, Luízes e Manzo N’gunzo Kaiango, patrimônio de BH” e no dia 21, o documentário “Quilombos da Serra do Cipó”. A direção dos documentários é de Bruno Vasconcelos e Alexia Melo.  A produção é da  CAMPO| Cultura, Meio Ambiente e Patrimônio.

Dia 14/09 – 23h45
“Tem Quilombo na Cidade – Mangueiras, Luízes e Manzo N’gunzo Kaiango, patrimônio de BH”
O filme é resultado do Registro dos Quilombos em Belo Horizonte como patrimônio cultural imaterial da cidade realizado pela Diretoria de Patrimônio Cultural, Arquivo Público e Conjunto Moderno da Pampulha Fundação Municipal de Cultura – FMC, por meio da Consultoria CAMPO | Cultura, Meio Ambiente e Patrimônio.

No documentário, os/as quilombolas se mostram e contam suas histórias centenárias: falam de diásporas, memórias e resistências que continuam a fazer comunidade com exuberância, apesar da cidade que avança de forma daninha contra seus modos de vida e suas territorialidades.

Dia 21/09 – 23h45
“Quilombos da Serra do Cipó”
O filme documentário ‘Quilombos da Serra do Cipó’ é resultado do Inventário Nacional de Referências Culturais (INRC) dos Quilombos da Serra do Cipó realizado pela superintendência do IPHAN-MG, em parceria com a Consultoria CAMPO | Cultura, Meio Ambiente e Patrimônio.

Nesse documentário, os quilombos Açude e Mato do Tição (situados em Jaboticatubas); Ascaxar – Córrego Cachoeira, Xambá e Ribeirão (situado em Dom Joaquim); Três Barras Buraco e Cubas (situados em Conceição do Mato Dentro) são descritos com a amostra de algumas de suas principais formas de expressão, celebrações, sabedorias e ofícios tradicionais, dignos de reconhecimento como patrimônio cultural imaterial.

       

Deixe um comentário