Olhares e força da mulher em foco na Faixa de Cinema

faixa de Cinema 18/10/19Três mulheres, mineiras e diretoras. A Faixa de Cinema do dia 18, sexta, às 23h45, abre passagem para Clarissa Ramalho, Joana Oliveira e Cristina Maure, experientes realizadoras, produtoras e roteiristas que compartilham o gosto pela lente inquieta, aguda e ao mesmo tempo sensível.

“Janelas” (2017), de Clarissa Ramalho é um breve olhar experimental e poético sobre a dimensão de personagens e sua organização no tempo-espaço através de molduras chamadas janelas. Os premiados curtas “Diário do não ver” (2012) e “Rio de Mulheres” (2009) de Joana e Maure trazem o olhar das diretoras para o universo de mulheres e suas perspectivas de vida. O ponto de observação é o pilar dos curtas desta semana.

JANELAS

Janela – s.f. – “Moldura arquitetônica, considerada como ângulo de visão, que permite a entrada de luz e ar, além de possibilitar a extensão do olhar, como um indivíduo, que participa da ação observada. Símbolo da consciência ou portal para o inconsciente.” As janelas, o eu e o outro. De dentro e de fora – uma observação do mundo, por onde personagens emoldurados são vistos pelo olho-câmera. Uma ficção que toca o experimental.

Cartaz Janelas17min | 2017
Direção, produção e roteiro: Clarissa Ramalho
Direção de fotografia: Arnold Diaz e Ricardo Stein
Produção executiva: Clarissa Ramalho / Montagem: Pedro Bento e Ricardo Miranda
Atores: Rita Elian, Isabel Lacerda, Fábio Carvalho, Fábio Leite, Luiz Rosemberg Filho, Ronaldo Miranda
Finalização: Alexandre Amaral e Marco Machado
Edição de som e mixagem: Gustavo Fioravante
Trilha sonora original: Flavia Ventura Tygel
Assistentes de direção: Marisa Guimarães e Sarah Passos
Assistentes de câmera: José de Arimatéia e Pedro Bento
Still: Eduarda Las Casas e Ricardo Miranda
Assistente de produção: André Lima
Co-produção: Griffo Produções

DIÁRIO DO NÃO VER

Um filme sobre uma mulher, Lina, que tem sua segurança, sua estabilidade e sua dependência tomadas de si quando se depara com o diagnóstico de uma cegueira irreversível que se dará progressivamente. Seus sentimentos e sua forma de lidar com sua nova condição são traduzidos em seus sonhos. No mundo onírico ela digere o impacto da fatalidade e lida com o medo e os desafios das mudanças que serão necessárias para que ela continue a viver. O roteiro do filme foi inspirado em relatos dos sonhos de várias pessoas que perderam a visão por motivos diferentes.

A obra foi premiada como “Melhor filme júri popular” na Mostra Municípios do 12ª Goiânia Mostra Curtas e “Melhor Ficção” no 3ª CineCipó (2013).

Cartaz Diário do não ver21min |  2012
Argumento, Produção e Direção : Cristina Maure e Joana Oliveira
Produtora: Vaca Amarela
Produtora associada: Orapronobis Filmes
Produção executiva: Afonso Nunes, Cristina Maure e Joana Oliveira
Roteiro: Joana Oliveira
Atores: Izadora Fernandes, Júlio Maciel, Marília Quintão
Fotografia: Cristina Maure e Zinho de Araujo
Direção Arte e Figurino: Marília Quintão e Marlon Penido
Montagem: Cristina Amaral
Edição de Som: Gustavo Fioravante
Trilha Sonora Original: Chico Amaral
Mixagem: Alexandre Jardim

RIO DE MULHERES

A rotina de mulheres que vivem somente entre crianças e outras mulheres em comunidades rurais remanescentes de quilombos em uma região muito seca, onde a água é escassa, do Vale do Jequitinhonha.

A obra ganhou uma série de prêmios nacionais e internacionais, entre eles “Melhor Documentário” no 18º San Diego Latino Film Festival (EUA), “Melhor curta internacional” no 17º Festival Int. de Cine de Valdivia (Chile) e “Melhor direção, fotografia, curta e filme do festival” no BAFF (Bahia Afro Film Festival- 2010).

Cartaz Rio de Mulheres21min | 2009
Direção e produção: Cristina Maure e Joana Oliveira
Roteiro: Joana Oliveira
Fotografia: Cristina Maure
Som direto: Osvaldo Gomes
Montagem: Arnaldo Mendz
Edição de áudio: Gustavo Fiorante, Leonardo Gomes
Design: Bruno Crepaldi
Co-produção: Vaca Amarela

       

Deixe um comentário